domingo, 20 de dezembro de 2009

Introducing: New friends!

A cada dia que passa me sinto mais parte de Bcn. Passou aquela sensação de "estou a passeio" e agora começa a aparecer a rotina, o dia-a-dia. Tanto que eu tenho a sensação de que não tenho nada de tão interessante assim pra escrever aqui, acho que por isso levei bastante tempo pra atualizar dessa vez. Mas muitos amigos vieram comentar comigo de que estavam sentindo falta e aqui estou eu. Fico muito feliz em saber que meus brasileirinhos se interessam pela minha vidinha. =)

Bom gente, acabo de entrar em recesso da faculdade e do espanhol. Esses últimos dias foram bem puxados por conta disso. Provinhas, trabalhos, entregas. E agora tenho uns 20 dias de folga pra aproveitar. Se tudo der certo passarei meu Natal em Andorra esquiando. Luuuxo e riquezaa! Hahaha! Tá muito longe de ser o Natal que eu queria... nessas datas você sente vontade de trocar tudo pela família e pelos amigos, não quero nem pensar em como vou me sentir longe de todo mundo. Maass, é mais uma experiência né? Vou conhecer a neve, passar muito frio (mais do que já tô passando aqui), esquiar, me estabacar 384762473694 vezes, fazer bonequinho de neve... enfim, passar um Natal branquinho como nos filmes. Depois pretendo conhecer a região da Andaluzia, passear por Sevilla, Granada, Cádiz, Córdoba.. enfim, o que der pra ver em 3 dias e meio. Ano que vem conto pra vocês se deu tudo certo e como foi.

Bom, pra começar vou apresentar minhas novas amiguinhas:

video
VÍDEO: VOLTANDO DA FESTINHA DE METRÔ

Essas três chicas são Giselle, Karina e Stefany. 3 fofas! Giselle é Nicaraguense, advogada, mora na Espanha a 6 anos e foi transferida de Madrid para Barcelona no trabalho a apenas 3 meses. Kari, como eu já disse antes é minha companheira de piso, venezuelana, arquiteta, estudando em bcn também a 3 meses. Stefany (não é a do crossfox, please!) é salvadorenha, arquiteta, estuda aqui também a 3 meses e já conhecia Karina antes, chamamos ela por China também, pelos olhinhos puxados. Em fevereiro vai se mudar para nosso apê, e morar comigo e com Kari =) . Nos juntamos sempre pra assistir filminhos, contar histórias de terror, fofocar, cozinhar, comer e beber lambrusco, que é tipo um vinho com uma cor forte e um sabor estranho.
Fora isso a Karina sempre me convida pras festinhas e encontros da sua turma do Master. Já que a minha turma é uma desanimação só, pronto! Fui adotada pelo arquitetos. A turma dela tem alemão, mexicano, chinês, catalão, andaluz, equatoriano, chileno e até uma gaúcha super gente boa. Ontem fui ao jantar de Natal dessa turma, no vídeo acima estamos voltando de lá. O anfitrião, alemão, tem uma namorada palestina, e a garota fez uma comida árabe in-cre-í-ble. Tabule, homus, uma massa coberta com um molho escuro, grão de bico, trigo. Isso sem falar nos sushis e gyozas que o chino levou, no pan de jamón da Kari e nas tortillhas salvadorenhas da Stefany. Passei bem, viu?


FOTO: NO JANTARZIEENHO.



FOTO: EU E KARI PASSANDO FRIO. ESSA NOITE FEZ 1ºC.


FOTO: JU, A GAÚCHA; ANDREAS, EL ALEMÁN; GISELLE, A NICARAGUENSE.


FOTO: PARTE DA TCHURMA.

Vou apresentar também os 2 chicos do meu master mais próximos, e de quem eu já falei aqui antes: César e Mariana. César é venezuelano, amigo da Karina e Mariana a carioca super doce.


FOTO: MARI E CÉSAR TIRANDO ONDA NA SALA.

Eles são os que mais topam passeios e saidinhas. Fora isso quase todos os dias nos juntamos no intervalo com a Marina, portuguesa do Porto, pra ir ao mercadinho do paqui comprar galletas Príncipe, o melhooor e mais sensacionaaal biscoito recheado que existe. O pacote é gigante, custa 80 centimos, e quase sempre saímos cada um com o seu na mão. Vício terrível! Já deixei de jantar algumas vezes de tanto biscoito que comi. (Mãee, sem carão).
O César tem uma câmera muito boa e adora fazer "passeios fotográficos". Um dia fomos passar um fim de tarde em Sitges, uma cidade de praia pertinho de Bcn, uns 3o, 40 minutos de trem. A cidade é super fofa, vimos um pôr do sol lindo e voltamos no comecinho da noite.


FOTO: EU E KARI PELAS RUAS. DETALHE PRO SEPULCRO ATRAS DA GENTE. UI!



FOTO: O MAR MEDITERRÂNEO


FOTO: NO TREM


Outro passeio fotográfico foi o Parc del Laberint. Fica na parte alta da cidade, um palacete antigo com o jardim mais lindo que eu já vi na vida. Fiquei apaixonada pelo lugar, tanto que uma semana depois voltamos pra fazer um pic-nic e caminhar mais uma vez pelo labirinto.


FOTO: CONSEGUI ME PERDER NELE.


FOTO: EDWARD MÃO DE TESOURA ESTEVE AQUI.



FOTO: CONSEGUE SER LINDO, POÉTICO E MACABRO.


FOTO: EU, MARI E OS PEIXINHOS VERMELHOS.





FOTO: COMPANHEIROS DE MASTER

Ah! Vocês lembram daquela fonte que eu postei a foto? Aquela que tem que beber a água pra voltar à Bcn, onde o Barça comemora os títulos? Pois ontem eu tive a chance de ver isso acontecendo. Estava com a Samara pelas Ramblas pra fazer compras de roupa pra neve quando vimos um auê danado. Fora a lotação normal da rua perto do Natal tinha bombinha, gente cantando. Não deu outra: o barça tinha ganho um título sei-lá-de-quê (por favor entendidos de futebol, ajudem!) e a fonte tava bombando.

video
VÍDEO: MADRID!! CABRÓN!! SALUDA EL CAMPEÓN!!

Ah! Mais uma coisa, hoje conheci o Mychel, meu mais novo amigo aqui. Amigo indicado por amigos, o que é melhor.. e amigo gay! Todas as mulheres precisam de um amigo gay superdivertido pra levantar o astral. Trocamos msn, facebook e telefones e hoje nos encontramos na rua e caminhamos bastante. Ele é de Natal, morou um bom tempo em Fortaleza e está aqui a 2 anos, conhecemos milhares de pessoas em comum. Ele adora festa, já estudou arte, fotografia e culinária aqui. Mais um ponto pro garoto: sabe cozinhar. Adorei!

E assim a vida segue. É bom viver assim, sempre rodeada por novidades. Estou tentando desconectar o máximo possível minha cabeça do Brasil pra não sofrer tanto de saudade, aproveitar o aqui e agora, não pensar muito no futuro, até porque já já tudo isso acaba e eu estou de volta. A cabeça tudo bem, posso até tentar desligar, mas o coração.. esse leva vocês pra todos os lugares.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Coisas que você só faz em Barcelona

Vê na faixa centenas de Picassos

Pisa num Miró

Segura um Gaudí

Beijaaa um Gaudí

Que cidade é essa, heim?

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Conectada!

Poisé gente... me mudei! Desde o post passado a palavra da vez tem sido ADAPTAÇÃO. Saí da "barra da saia" da Samara e estou na minha própria casinha. Escolhi a opção 2. É um apartamento ótimo, não é muito grande, mas o espaço é super bem aproveitado. Meu quarto é pequeninho. Tem minha cama, uma mesa de cabeceira, meu armário, um espelho e uma coisa importante: é bem quentinho. A sala e a cozinha são bem equipadas. Tem máquina de lavar, microondas, sanduicheira, torradeira, tudo no seu devido lugar. Tem wi-fi, a TV é grandona, tem TV a cabo e até um Wii. Minhas companheira de piso são Karina e Jussi. Karina é venezuelana, da minha idade, também está em Bcn fazendo um master, mas o dela é em arquitetura. Super simpática! Cheguei aqui através do Cesar, meu colega de sala venezuelano que é muito amigo dela. Ele veio visitá-la um dia, curtiu o apê e me deu o toque. A Jussi é brasileira, uma baiana de uns 35 anos, creio eu, que mora aqui já ha uns 3 anos. Ela tem um filhinho de 5 anos, o João. A Jussi e o João saem super cedo de casa, ele fica na escola o dia todo e ela trabalha bastante limpando casas. Como chego em casa por volta das 10 da noite nunca o vejo, pois ele sempre está dormindo. Estou louca pra fazer amizade com ele pra ver se ele me empresta o Wii. Hehehehe. Como o pivetiieenho aprende castellano e catalão na escola acaba que a Jussi quase nunca fala em português. Ótimo!! Assim eu sou obrigada a me comunicar em espanhol. Apesar de que as vezes eu morro de saudades de chegar em casa e soltar o verbo como eu fazia na casa da Samara e do Márcio. Tem horas que cansa ter que se esforçar pra falar.


Uma das melhores coisas desse lugar emque estou morando é a localização. Apesar de ser bem central é super tranquilo (como a cidade toda, por sinal. aqui em bcn não tem trânsito nem movimentação demais). A rua se chama Passeo de San Joan. Chama-se assim por causa do passeio central nela, é uma rua bem larga onde no meio passa uma "praça", ou seja, rua de um lado e do outro e no meio ciclovia, banquinhos, árvores, parquinhos de areia, fontes, mesas de ping-pong. Muito agradável. Fora isso o comércio do entorno é sensacionaaal. Embaixo de mim existe um OpenCor que é um misto de loja de conveniência com supermercado. É um pouco mais caro que os supers comuns, mas ele fica aberto todos os dias até 2h e funciona aos domingos, coisa que aqui em Barcelona é muitíssimo raro. Logo ao lado do OpenCor tem uma padaria-café que parece muito boazinha. Tem uma agencia de banco na frente, fruterias, carnicerias, 3 supermercados na rua vizinha, uma loja só de congelados prontos, 2 farmácias, a estação de metrô a 1 quarteirão e uma parada de ônibus exatamente na porta do prédio.


FOTO: EIS O PASSEO DE SAN JOAN OU PASSEIG DE SANT JOAN.

Os primeiros dias no apê novo foram meio estranhos. Estava tendo aulas de reposição na faculdade junto com os alunos novos, trabalhos em equipe, aulas de espanhol e do master e acabava vindo em casa só pra dormir. Conclusão: demorei um pouco pra me sentir em casa. Pra completar estava desconectada do mundo, pois o macbook que eu queria comprar estava esgotado em todas as lojas da cidade e fiz o pedido por internet. Acabou que ele chegou onteontem na Fnac. Fui buscar antes da aula, a mais feliz de todas com o brinquedinho novo, eis que surge mais uma balada gratuita em plena segunda feira com sushi e uma "copa" (leia-se bebida) de graça... imperdível. Só fiz ligar o bichinho dar uma mexidinha de leve e tive que correr pra me arrumar e pegar o metrô aberto. Cheguei da balada as 4h da manhã e não resisti a ele. Hahaha!! Fiquei mais uma horinha brincando (não me maaata, mãaaae!). Aliás horário aqui é uma coisa maluca. Estávamos até comentando isso nessa mesma balada, que nossas famílias não nos vejam.. mas aqui a gente acorda, dorme, come, tudo quando dá vontade. Não existe regra, não existe um horário em que estão todos almoçando, por exemplo, cada um tem seu ritmo. É muito louco.


Bom, fora minhas novidades habitacionais e tecnológicas, tem também as culturais e de entretenimento. Hehehehe! Infelizmente eu ainda estou sem minha câmera digital, quase todas as fotos que tenho estão espalhadas nas câmeras de amigos, então tenho que contar com a imaginação de vocês. Um dia antes de me mudar pro novo apê fiz um passeio que estava na lista "Coisas que eu não posso deixar de fazer em Barcelona": Museu Picasso! Fui com a Samara. O museu fica no gótico, então aproveitamos pra explorar um pouco o bairro que é incrível.


FOTO: O "AYUNTAMIENTO". A PREFEITURA DA CIDADE.



FOTO: PELO GÓTICO.


No meio do caminho nos deparamos com a catedral, que há tempos está em obras, e ela estava aberta e a Samara nunca tinha entrado. Ela foi construída entre os séculos XIII e XV por cima da antiga igreja que havia lá. É bem grande, tanto que tem outras capelas dentro dela, uma jardim lateral e vários sepulcros, incluíndo o de Santa Eulália que fica embaixo do altar. Tem um órgão enoorme, várias gárgulas do lado de fora e vitrais lindos. Como toda igreja gótica, meio sinistra.


FOTO: NAVE CENTRAL DA IGREJA. ENORME.


FOTO: O "MINI"-ÓRGÃO. DÁ ATÉ MEDO DE QUE ELE TOQUE.


video

VIDEO: FRIO NA FRENTE DA CATEDRAL.


Bom... o Museu Picasso é um capítulo à parte. Tanto que acho que nem vou falar dele agora. Vou deixar pra outro post menos conturbado. Só adiantando que eu fiquei encantadíssima com tudo o que vi.


Quinta-feira passada fui com Mari, Marina e César (minha nova panelinha da facul, hehehe!) pra um bar chamado L'ovella Negra, uma espécie de Taberna. Fica no bairro gótico (parece que tem outro na cidade olímpica), é frequentado por gente jovem, muitos estudantes, mesas de sinuca, tem um clima legal apesar de não ter música. Bebi uma sangria muito gostosa, bem levinha, que eles servem nuns jarrões grandes. Joguei totó, ganhei de uns portugueses malas amigos da Marina (a portuguesa da sala), de umas espanholas, mas em compensação perdi pras portuguesas Marina e Cristina. Foi uma noite bem legal, conhecemos habitantes de barcelona [!!!!], porque aqui tem gente de todo lugar do mundo, menos de barcelona. Um deles com mó cara de Nerd tocava algum instrumento que eu não lembro qual era e era alucinado por Tom Jobim, sabia cantar tudo, conhecia Chico Buarque, Chico César... aí resolveu tirar umas dúvidas comigo sobre as letras. Primeira pergunta: O que é Matita Pereira? Hahahaha! Boaaaa perguntaaaa. Taí que eu não sei! Pereira é uma "apellido", logo Matita deve ser um "nombre". Acho que o pobre não entendeu nada.


No dia seguinte eu tinha aula de reposição as 10h. Palito nos olhos e vamo que vamo. Tive aula o dia todo e a noite fui pra casa da Samara provar o tão esperado SUSHIII dela. Deliciooso! Samarita está super aprovada no quesito sushiwoman. O Nelson e a Gisele também foram. Acho que ainda não falei deles aqui. É um casal de cearenses super gente-boa que mora aqui a um tempinho também. Inclusive a Gisele é formada em publicidade na Unifor. Entrou um semestre antes de mim e saiu um depois, ou seja, estudamos quatro anos juntas, mas não nos lembramos uma da outra. Mundinho grande heim?


FOTO: NOITE JAPONESA COM DIREITO A CREPE DE DOCE DE LEITE DE "POSTRE"


Sábado foi dia de organizar coisas, fazer compras, cozinhar, assistir TV e bater perna com a Samara pelas lojas de roupa da Cataluña... só olhar né? Preciso de um emprego urgente pra fazer um limpa na Zara. Domingo dia da preguiça. Estudei espanhol, assisti TV e a noite fui pro parque da Ciutadela com esse mesmo quartetinho da foto acima, onde fica o Museu de Ciências Naturais pra aproveitar o domingo grátis. Mas esse aí eu também vou deixar pra depois porque já falei demais. Quem manda ficar tanto tempo desconectada, né? Vou ficando por aqui com o meu primeiro post via meu macboozinho-branquinho-lindo-cheirosinho-xuxu! Saudades colossais de vocês do lado daí.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Prós e Contras

Um bom tempo sem atualizar, né? Desde a minha visita ao Guell já se passaram 2 semanas, tanta coisa já aconteceu. Minha segunda semana em bcn não foi muito agradável. Sabe como é, né? A saudade batendo "dicumforça", aulas experiementais do curso de espanhol (totalmente diferente do que eu esperava), buscas de habitación na internet, visitas [frustradas] a apartamentos, projetos da faculdade... um monte coisinhas e mais outro montão na lista dos "a resolver". Nessas horas dá vontade de ligar e dizer: manhêê, me tira daqui!
Na facul, um professor passou um projeto pra ser entregue na segunda-feira, dia 2, então eu e minha dupla (a brasileira, que a propósito se chama Mari) tivemos uma série de contratempos durante os dias da semana, principalmente porque estava rolando a BCN Design Week, e só conseguimos tempo no fim de semana. Mal sabíamos que isso ia tomar o fim de semana INTEIRO. Quando eu digo inteiro, eu digo inteiro mesmoo. Sábado e domingo, da hora de acordar até a hora de dormir, sem pausas. Comer? Joga uma sopa de cogumelos na água quente, mete na caneca e vai tomando enquanto produz, biscoitinho da aveia na bolsa e já foi. Sábado saí da residência dela mais de meia-noite. A rua cheia de gente fanstasiada por causa do halloween, o metrô parecia uma festa, a galera fazendo umas rodinhas e bebendo lá mesmo. E eu? Um caco. Sabendo que o outro dia ia ser tão desgastante ou mais. Comecei a me sentir mal de estar tanto tempo na casa dos meus amigos, medo de estar incomodando pessoas tão queridas. Na faculdade tava me achando a mais desenturmada de todas. Me sentindo perdida num lugar muito longe do meu mundo. E pra piorar tudo no Brasil tava rolando um feriadão sensacional, ninguém na internet, todo mundo na Oktoberfest de Guará, Melca no Rio, Larys em Jeri, Sávio em Salvador, e eu morrendo de vontade de estar em qualquer um desses lugares, acompanhada pelos meus brasileirinhos.

Olhascoisamelhorando I:
Na semana seguinte as coisas começaram a melhorar um pouco. Segunda-feira apresentamos o trabalho e nos livramos disso, enfim! O trabalho ficou ótimo, todos gostaram. Aliás, o nível dos trabalhos de toda a turma foi incrível. Pra completar, na facul chegaram 2 novos alunos venezuelanos. Obaa!!! Gente mais atrasada que eu. Urrru! O coordenador preparou uma aula de reposição pra nós 3 com o prof. Joan Costa, que é um velhinho bichãaao do design na Espanha, com vários livros publicados. Muito famoso na América Latina também, mas como não existem versões em português dos livros não estudamos nada dele por aí. Os venezuelanos pareciam que tavam na aula da Madonna, filmando tudo, sorrindo o tempo todo, dizendo que tinham livro tal, que leram num sei quê dele, que tentaram ir na palestra dele na Argentina mas tava obviamente tudo lotado, dizendo que achavam o projeto tal dele genial.. e eu láá sem ter a noção exata do que representava aquele velhinho engraçado. Ele me disse que adorava o Brasil, que já tinha feito projetos pra Petrobrás, pro Banco do Brasil. Resumindo: a aula que tivemos com ele junto com toda a turma não foi lá essas coisas, mas essa "particular" foi incrível! Passamos 3 horas conversando com ele. Foi muito bom entender a visão de um veterano desses sobre design, comunicação, publicidade e vida. Coisas assim me fazem ver que raspar todas as minhas economias pra fazer esse curso realmente tá valendo a pena.
Outra coisa incrível que fiz por aqui foi o Design Circuit que aconteceu durante a BCN Design Week. Era um dia em que vários estúdios de design da cidade estavam de portas abertas pra receber os estudantes. Me juntei com três espanhóis, um colombiano e um americano da minha turma, escolhemos alguns estudios na lista e saimos visitando. Conseguimos ir em 4 deles, todos eram pequenos, enxutos (média de 4 designers trabalhando), mas todos com ótimos projetos, com um visual e um clima muito legal. Conversamos com os donos, ouvimos muita coisa sobre o trabalho deles, ganhamos doces, suquinhos, jornaizinhos. Hehe! Foi uma experiência maravilhosa.

Olhascoisamelhorando II:
No decorrer da semana mudei de turma 3 vezes no Espanhol, a galera da escola me colocou em uma turma de preparação pro DELE, fiquei boiando! Troquei pra outra, depois pra outra, já tava me desestimulando em fazer o curso até que consegui me encontrar. A turma que fiquei acabou sendo a mais legal em termos de gente também. Não tive tempo de conversar com ninguém porque só tive uma aula com eles, mas tem gente do mundo inteiro, mais ou menos a mesma faixa etária, pessoas comunicativas. Diferente das outras turmas que só tinha oriental e brasileiro, no máximo um alemãozim.


Olhascoisamelhorando III:
Depois que passar muitas horas buscando na internet, totalmente sem foco, comecei a fazer algumas visitas a apartamentos e tenho que dizer que os primeiros me deixaram muito desanimada. Fui ver uns de ótima localização, mas quando entrava.. ai, ai, ai. Os apês aqui são muito esquisitos, sabe? Pequenos (mesmo os antigos), escuros, em forma de corredor, a entrada fica perto dos quartos e longe da sala. Mó estranho! Poréem, os dois últimos me deixaram bem mais feliz. Um deles fica no bairro gótico, que é lindo, central, turístico, movimentado, incrível, poreeeém é cheio de bares e consequentemente cheio de bebados, de moradores imigrantes mais pobres e tarde da noite fica meio esquisito. Seria o equivalente à nossa P.I. A vantagem é que andando uam quadra estou na faculdade, dando uns passinhos no espanhol. O apê é super novinho, bem equipado, 4 quartos e atualmente só mora uma senhora de 65 anos lá. Fora isso tem uma piscininha sucesso na cobertura. O outro apê fica num bairro super agradável, numa rua larga com uma área central com árvores, banquinhos, ciclovia, parquinho de criança, perto de mercadinhos, bancos. Também é bem equipado e lá moram duas brasileiras e uma venezuelana. Conheci a penas a venezuelana, mas acho que amanhã vou lá conhecer as outras e decidir a minha vida. Por enquanto estou mais inclinada pela segunda opção, mais pela questão da companhia, de ter com quem conversar quando chegar em casa. Mas isso já é cena do próximo capítulo.


Olhascoisamelhorando IV:
Quinta-feira depois da aula rolou uma festa de boas-vindas na faculdade. O pátiozinho central estava todo decorado com umas caixas de madeira, umas luzes vermelhas, um DJ e um barzinho distribuindo cerveja e refrigerante pra galera. Ficamos um pouco por lá e a Mari acabou me convidando pra uma festa da qual ela tinha uns convites. Fui pra casa, tava cansada, mas pensei: Poxa, até agora eu não saí nenhuma vez. Vai, vai, deixa de besteira! Minha primeira balada em BCN depois de quase 3 semanas quietinha(Viu que lindo, mãe?)!! A festa era numa boate incrível que fica na praia. Carpe Diem Lounge Club. O lugar tem uma decoração toda oriental, você desce por umas escadas com estátuas tipo aquelas dos soldados de terracota da china, tem umas lanternas iluminando, uns arcos indianos entalhados em madeira, uns deuses, budas, uma parte com um lounge parecido com o do La Casa. Ganhamos um drink verde meio esquisito na entrada. A música era dance, eletronic, útimos sucessos da parada, o DJ era muito bom. Até funk carioca tocou! Depois de dançar moooito as luzes começaram a acender, a música foi parando, maaaassss... colocaram pulseirinhas na gente pra podermos entrar na boate ao lado [!!] A segunda, Opium Mar, era bem maior, estilo mais contemporâneo, mesmas músicas. Tinha uns palquinho no meio do dancing com umas gueixas estilizadas dançando. No meio da noite as gueixas sairam e subiu um cara lá com um violino elétrico, ficou tocando junto com o DJ. Muito louco mesmo! Saí de lá quase 5h da manhã, junto da turminha da resi da Mari. Tirei algumas fotos na câmera dela. Quando tiver eu posto.
Além disso, no dia seguinte rolou a primeira reuniãozinha da galera da facul. Uma festinha no apê da Teresa, uma catalã de Girona da nossa sala. Mesmo morta e acabada, tendo dormido as 5h, acordado as 9h e passado o dia inteiro andando e resolvendo coisas, eu fui! O nome da festinha era TapasWere Night, cada um tinha que levar algo típico do seu lugar de origem pra comer. Eu levei Guaraná Antarctica, e comi coisas ótimas! A cubana levou uma tortilla de patatas com cebolla, o americano macarroni with cheese and turkey, a brasileira levou brigadeiro (a galera pirooou no brigadeiro), comi também umas pimentas verdes assadas, uns pates de marisco e atum levados pela portuguesa.. um monte de coisa que nem lembro o que era. Fora a galera da turma tinha uns agregados de várias nacionalidades. conheci um belga apaixonado pelo brasil, um irlandês que tem uma cadelinha que ele salvou do furacão Katrina, muita gente legal. Falei espanhol, inglês, português, tudo junto e misturado. Hahaha! Valeu a pena superar o cansaço pra tentar socializar mais um pouco.

É isso... aos poucos vou me acostumando com essa vida doida, momentos de altos e baixos. As vezes me sinto só e triste, as vezes coisas pequenas me fazem feliz. Um dia estava saindo do metrô cansada, estressada, olhei pra lua e ela me fez sorrir. Aliás a lua tem me ajudado muito por aqui. Já falei demais, né? Próximo post prometo fotos e se Deus quiser só coisas felizes. Obrigada por estarem me acompanhando virtualmente. AMO TODOS!!!

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Güell

Depois de uma semana de céu cinza e chuva, eis que surge o sol. Num sábado! E qual o lugar ideal para ir num dia como esse? Humm, vamos pensar... ai que difícil. O Parc Güell, é claro!! Aquele dos ladrilhinhos coloridos, das casinhas "de chocolate", do lagarto. Resumindo: um sábado pra realizar um sonho de infância. Fomos eu e a Samara, minha anfitriã-guia, caminhando até o parque. Ele fica pertinho da casa dela. O único porém é que a região é montanhosa, ou seja, uma bela subidinha pra chegar. Subimos por uma calçada apinhada de turístas indo e vindo, parando nas lojinhas de souvenirs.
Chegar no parque é como mudar de planeta. De repente tudo parece de fantasia. As formas são todas orgânicas, curvas, fluidas. Depois o Márcio me fez observar: não existem ângulos retos nas obras de Gaudí. Como assim não existem?? Não existem!! O cara era um louco mesmo. O parque na verdade foi costruído pra ser o humilde jardim de uma casa. O "tio" Güell, dono da parada, era um desses mecenas, além de ser amigo do arquiteto delirante. A sensação que você tem é de que tudo aquilo brotou da terra mesmo. Os muros de pedra têm umas formas que lembram árvores, cavernas, raízes. E os ladrilhos colados nelas, não por acaso, têm motivos de flores, borboletas e cores lindas de primavera.

FOTO: PRIMEIRA VISÃO DO PARQUE. CASTELINHO DE BRINQUEDO.

FOTO: ENTRADA DO GÜELL.

FOTO: LAGARTINHO MAIS FAMOSO DO MUNDO. UMA BRIGA PRA TIRAR FOTO COM ELE.

FOTO: MINHA GUIA-TURÍSTICA.

FOTO: LOUCURAS NO TETO.

FOTO: LOUCURAS DE PEDRA.

FOTO: SENTADA NUM GAUDÍ, CASINHA DE CHOCOLATE COM COBERTURA DE CHANTILY E VISTA PANORÂMICA DE BARCELONA. SE TIRASSEM OS 893837446529272908 TURÍSTAS DO LUGAR E OS VENDEDORES AMBULANTES ESSE LUGAR IA SER O CÉU.

FOTO: DIA DE SOL. PERFEITO PRO COLORIDO DO LUGAR.

FOTO: O TOPO DA MONTANHA.

AH BARCELONA!

Sonho realizado!! Pena que um dia lindo como esses em pleno outono, e ainda por cima sábado, faz com que toDOOs os turistas do mundo e um monte de moradores da cidade visitem esse lugar ao mesmo tempo. Acho que tira um pouco a magia do local. Claro que ele já está na minha lista dos lugares que eu tenho que voltar várias vezes. De preferência num dia de semana. Amigos, venham me visitar! Levar gente pra conhecer é um ótimo pretexto pra estar sempre lá. Agora preciso ir, meu tempo tá ficando escasso. Procurando uma habitación, fazendo trabalhos da faculdade... depois conto mais sobre o que tá acontecendo nos bastidores dos passeios.

Beijos pra todos.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Explorando...

Com apenas uma semana aqui ainda não tive muito tempo de passear e conhecer os pontos turísticos famosos. Quando ainda estava no Brasil eu dizia que a minha primeira providência aqui seria ir ver os Gaudís. TODOS os Gaudís! Mas não foi bem assim que funcionou. Primeiro porque a minha situação não é de turista, tenho meus compromissos, coisas a resolver e não tenho todo o tempo do mundo pra sair por aí. Segundo porque conhecer lugares tão especiais assim exige dias especiais, uma boa luz, tempo de sobra. Quando você é turista não tem muita alternativa.. sobe o corcovado em dia nublado, anda pelo pelourinho no meio da chuva. Mas eu tenho a sorte de poder esolher o MEU dia e voltar depois para ver na luz da noite, na primavera, no verão. Só que a primeira vez é a primeira vez né? Vamo com calma.
No meu segundo dia na cidade (aquele mesmo do teste de nível, do primeiro dia de aula) fiz o primeiro passeio. O dia amanheceu chuvoso, como sempre eu levo chuva pros lugares que vou. Acho que eu podia até ganhar dinheiro com isso. Fazer viagens patrocinadas pela Funceme, levar chuva pro sertão, já pensou? Pegamos nossos "paraguas" e fomos para a Plaza Cataluña, um dos pontos bem centrais da cidade, com muitas conexões de metrô, muito comércio e muito turismo também. É lá onde começam as Ramblas. No entorno tem lojas como a Fnac, uma loja da Godivaaaa, Hard Rock Cafe, uma loja bem grande da C&A [!!], o Corte Inglés (a loja de departamentos que bomba por aqui) e infinitas outras.

FOTO: PLAZA CATALUÑA. ATÉ NUM DIA NUBLADO CONSEGUE SER LINDA.


FOTO: MAIS UMA NA CATALUÑA.


FOTO: POMBOS DANDO "ZERO BOLA" PRO MEU BISCOITO, E EU DESPERDIÇANDO GALLETAS PRÍNCIPE COM ESSES FEIOSOS.


video
VIDEOZEENHO: É NÓIS NA PRAÇA.


Da praça fomos pelas Ramblas em direção à faculdade, conhecendo o percurso.


FOTO: LAS RAMBLAS

FOTO: FONTE ONDE O BARÇA COMEMORA OS TÍTULOS. QUEM BEBE DESSA ÁGUA VOLTA PRA BARCELONA. JÁ ME GARANTI.

FOTO: LA BOQUERIA. O MERCADÃO DE SABORES DO MUNDO. TEM ATÉ FARINHA DE MANDIOCA.

FOTO: SESSÃO MUITO CHATIEEENHA DO LA BOQUERIA.

video
VIDEO: DENTRO DO MERCADO. ESPECIAL PRO PAPAI QUE AMA EMBUTIDOS, E PRO TIO PEDRO QUE AMA QUALQUER COMIDA.

Depois de tanta água na boca dentro do mercado fomos almoçar. Detalhe: McDonalds! Hahahaha! Super-tudo-a-ver com o clima do mercado, mas era o que o tempo da Samara nos permitia. Comemos uma saladinha muito da boazinha com "sumo de naranja" num McDonalds bem diferente dos que estamos acostumados a ver pelo Brasil. Instalado num prédio antigo, com cores mais sóbrias, vários andares de mesinhas e janelões com vista pras Ramblas.
O post de hoje tá digno de fotolog. Pouco papo e muita imagem. Eu tava devendo, né? Acho que próximo também vai ser assim, porque vou falar do Parc Güell, e as palavras com certeza vão faltar pra descrever esse lugar. Besos em todos. Estou amando os comentários, viu?

sábado, 24 de outubro de 2009

Sobre a Faculdade

Como deu pra perceber pelo post anterior, eu não consegui ir no primeiro dia pra minha aula. Primeiro assim, né? Minhas aulas já haviam começado havia 2 semanas quando cheguei em Barcelona. No total perdi 10 dias de curso. No dia em que finalmente deu tudo certo eu resolvi ir mais cedo e passar antes na escola de espanhol para estrangeiros e saber os horários e preços dos cursos. Mal sabia eu que já poderia fazer o teste de nível e que ele era enooorme, o que me atrasaria pra minha primeira aula da faculdade. Fiz o teste. Cansei a munheca de tanto escrever, esperei um pouco pelo resultado e tcharaaaamm.. Nível 2! Me maaata de orgulho Clarinha!! Hehehe! Achei que ia ficar no Nível-prego-antes-do-um. E olha que meu nível 2 não tem nada a ver com falar português, pois o teste para brasileiros e italianos é diferenciado, exatamente pelas semelhanças entre as líguas.

FOTO: MEU TESTE DE NÍVEL DE ESPANHOL. AINDA BEM QUE DESFOCOU. UFA!

Cabou-se o teste. Corre pra faculdade, passa na secretaria, assina uns papéis (detalhe: em catalão. espero não ter assinado uma doação de todos os meus bens pra senhora-pouco-simpática que me atendeu), procura o número da sala num painel, procura a sala, procura antes a escada pra subir, não encontra, sobe de elevador mesmo, anda, anda, encontra a sala, se joooga na sala. Claro que o professor já estava lá, assim como todos os alunos. Entrei arfando direto pro fundão, o prof. perguntou meu nome e de onde eu vinha eu disse com um sorriso: - Clara, soy brasileña! Respostinha que tive: - Ah sim.. vindo de tão longe entendo que esteja atrasada. Rééé! Na testaa! Na verdade aquele também era o primeiro dia do prof. e ele não sabia que eu estava chegando pela primeira vez, mas só fui entender isso depois.

Sentei no fundão, a menina que estava na minha frente virou, olhou pra mim e sorriu com alegria, como se me conhecesse de algum lugar ou coisa do tipo. Desvirou e na hora do intervalo veio falar comigo. Brasileira! Sempre tem, né? A turma tem uns 20 alunos apenas: duas brasileiras, uma portuguesa, dois colombianos, um venezuelano, uma cubana, um árabe, um americano com cara de mexicano, e, se não me engano, os outros são espanhóis vindos de outras partes da espanha.. nenhum catalão! Acho que isso é bom, afinal tá todo mundo ali com interesses em comum, longe das famílias, creio que isso pode unir bastante a turma. Não fiz muita amizade ainda, conversei mais com a brasileira e a portuguesa por causa da língua, e com os latinos, porque eles são bem expansivos e gostam de perguntar, de fazer amizade. Pelo que notei o núcleo de "imigrantes" da turma já está se reunindo pra sair, combinado jantares e festinhas. Fui até convidada pra ir pra um jantar na sexta, mas era o dia da feijoada de aniversário da Samara e não pude ir. Espero superar a minha timidez que já me é peculiar, agravada com a vergonha de falar meu portunhol torto, e ir aos poucos me agregando à turma.

A Faculdade, como já disse, fica num bairro incrível. A sede é novíssima, linda por dentro e por fora. A fachada é clássica, antiga, com janelinhas e sacadas (assim como a maioria dos prédios das Ramblas) e tem anexo um prédio mais moderno. Por dentro ela tem cara de escola de design mesmo, com uma sinalização legal, umas paredes pretas outras vermelhas, uma com intervenções tipográficas, salas equipadas com Imacs. Cantina pro lanchinho? Rá Rá Rá... tem uma sala de paredes vermelhas com mesões pretos grandes, uma máquina de café e chocolate, uma de bebidas, uma de snacks (moedinhas, pra que te quero!) e um microondas pra quem quiser esquentar algo. Essa sala dá pra um pátiozinho central onde vão os fumantes. E os intervalos duram de 5 [!!!] a 15 minutos, dependendo do humor do professor. Vamos combinar que 15 minutos no meio de 4h de aula é pouco. Ah, do lado de fora tem um mercadinho dos paquis (redução de paquistaneses, que aqui é uma praaaga. Nem todos são paquistaneses, mas todos têm a mesma cara) onde dá pra comprar uns lanchinhos também, mas o preço é o triplo do supermercado.

FOTO: UMA DAS FACHADAS DA FACULDADE.

Mas vamos pro que interessa mesmo: as aulas! Não tive muitas ainda, mas pelo que já vi vão ser sensacionaaais. Os professores são bem preparados, sabem do conteúdo mesmo. Não é como as aulas que tive na graduação e até na pós em que, quase sempre, você fica pensando que poderia perfeitamente dar aquela aula pelo professor. Me lembro que na Unifor tinha professor que levava peças publicitárias lindas e maravilhosas, cases de sucesso e na hora em que a gente via o portfólio dele.. puf! Nível baixíssimo. Enquanto aqui tive aula com um publicitário que trabalhou em grandes agências multinacionais na europa, que mostrou cases lindos e maravilhosos também, mas muitos de autoria do próprio. Aí você se sente bebendo da fonte. Me surpreendi com a ênfase em publicidade que o curso tem, não sei se apenas nesse início mais teórico. Achava que ia ser bem mais voltado pro design gráfico, mas tô gostando muito disso.

Ah.. e papel é coisa do passado, viu? Todas as informações do curso, das aulas, dos trabalhos, são passadas por um blog. Os professores não querem nem conversar com você sobre dúvidas, é "Me manda um e-mail" pra cá, "Me adiciona no facebook" pra lá. A coordenadora do curso falou: - Estou aqui de 16h às 20h, mas se tiver alguma dúvida me liga que é melhor. Vai entender... Acho que sobre a facul, por enquanto é isso. No dia em que me sentir menos "prega" tiro fotos da parte interna, das pessoas e posto aqui. Saudade de tamanho do mundo de tudo e de todos!!

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

"Medolicidade"

O meu primeiro dia em BCN foi um misto de medo aterrorizante e felicidade absoluta. Ao desembarcar, muito tensa, sai do avião correndo como quem está atrasada para um compromisso importantíssimo, na minha frente apenas um casal. Saí num terminal gigantesco, andei muuuito seguindo apenas as placas "recogida de equipajes" e o casal que vinha no meu voo, quando eles resolvem mudar de direção e ir ao banheiro. Que ótimo!! Caí numa sala com no mínimo 30 esteiras rolantes e umas indicações muito confusas. Bateu o primeiro desespero, o segundo viria após todas as malas sairem da esteira e eu constatar que a minha ainda não tinha aparecido, o terceiro ao ser parada na saída do desembarque por um funcionário do aeroporto perguntando de onde eu vinha por causa de uma etiqueta verde na minha bagagem. Mas todos esses problemas foram solucionados muito rapidamente, era só a tensão que me fazia imaginar que eu ia ficar o dia inteiro andando de esteira em esteira, preenchendo formulário de bagagem extraviada e explicando em péssimo portunhol que minha malinha não tinha nada demais - além do kit feijoada da Samara, claro.

Fui recebida com muito carinho e calor por minha amiguinha, que mudou o horário do trabalho por minha causa, me levou pra casa e fez um almocinho pra gente. Conversamos muito e contei pra ela que não tava me sentindo bem, que tava com medo, que nunca ia conseguir falar uma única palavra em espanhol. Ela tentou me acalmar contando a experiência dela, mas ouvi-la me fez ficar mais e mais assustada. Só em pensar que em pouco tempo deveria estar na universidade fazendo minha matrícula e entrando de paraquedas numa sala de aula em que as pessoas já se conheciam, dava vontade de me jogar no avião de volta pra casa. Pensei umas 20 vezes antes de ir pra aula no mesmo dia, mas fui!

FOTO: PRIMEIROS MOMENTOS. ALMOCINHO ESPECIAL.

Samara me deu mapas, me esnsinou a andar de metrô, me emprestou seu celular, me deixou na faculdade e perguntou se eu queria ajuda na matrícula. Mas ela tava atrasada, melhor não abusar depois de tanta atenção. Foi a hora em que veio o mantra: "Vai, vai, vai, vai, deixa de besteira!" Respirei fundo e hablei español pela primeira vez. A senhora do outro lado do balcão me disse que nao poderia me matricular pois minha vaga tinha expirado [!!!!!]. - Mas minha senhora, tenho um email dizendo que posso me matricular até "beintedóss", hoje ainda são "diessenuebe". Lá fui eu pro meio da rua atras de um cyber e uma impressora imprimir o bendito email. Foi exatamente aí que acabou a parte do medo e veio a felicidade.

Andando pelas Ramblas, uma espécie de calçadão turístico onde está "ubicada" minha faculdade, comecei a esquecer que estava procurando um computador. Uma das informações que pedi me levou pra uma ruazinha transversal e eu avistei uma praça, fui até lá... e já era!!! Comecei a ver coisas lindas e seguir em frente. O lugar é um bairro gótico, cheio de bequinhos estreitos, curvos e em aclive, paredes de pedra, construções lindas, luminárias incríveis. Lojinhas por todos os lados. Andei, andei, encontrei dois palácios com uma praça no meio. comecei a não acreditar no lugar em que estava. Senti o vento frio no rosto, olhei pras pessoas, pras folhinhas de outono no chão e me senti livre, diferente, num filme, num sonho, numa vida nova. Para minha sorte estarei nesse lugar todos os dias. Prometo levar a câmera e compartilhar um pouco.

Me senti mais forte ainda ao conseguir encontrar o tal cyber depois de muitas voltas, imprimir o documento, voltar na universidade e resolver meu primeiro pepino em lígua estrangeira. Marquei de encontrar com o Márcio, que estava saindo do trabalho, outro abraço receptivo e caloroso. Voltamos pra casa e eu me senti em casa também.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Uma estrela caiu do céu

Prometi pra mim mesma que só ia chorar ao entrar no avião. Não queria que ninguém visse um traço sequer de sofrimento em mim, afinal todos sabiam que isso era algo que sempre quis e sempre que diziam que iam sentir minha falta eu já completava: "que nada, dez meses passam voando!". Claro que esses dez meses vão ser mais longos pra mim do que pra qualquer um, claro que vou sentir mais saudades do que todos, era apenas uma questão de auto-proteção.
Obviamente meu plano falhou, no último abraço no portão de embarque não deu pra segurar, e assim foi durante quase toda a viagem. Principalmente quando ligava o Ipod e seu shuffle-sexto-sentido-que-prevê-sentimentos. Depois de algum tempo de voo, já com a cabine do avião escura eu resolvi olhar pela janela e percebi que lá fora tinha um lindo céu estrelado. Peguei o cobertor espesso da TAP pra cobrir os resquícios de luz que vinham dos monitores nas poltronas. Quando encostei a cara no vidro caiu uma estrela. Enorme! Brilhante! Certeeeza ela caiu pra mim. Fiz o meu pedido e tive a certeza de muita coisa boa estava me esperando. Chorei de alegria, de saudade, de ansiedade... fiquei grata por chorar. Porque o choro, mesmo quando vem da dor, nos mostra que temos sentimentos e que somos capazes de senti-los. Isso mostra que estamos vivos.

Oito horas de voo até Lisboa, dia amanhecendo no velho continente, um céu que eu nunca tinha visto igual. Lá embaixo um mapa de uma cidade orgânica, cheia de montes, construções diferentes, me dando a certeza de que eu estava chegando num lugar completamente novo. Aterrisagem, imigração, longa e sonolenta espera em uma nova sala de embarque (não consegui pregar o olho durante a madrugada inteira), e finalmente vamos pro destino final: Barcelona!

Lugar que sempre me atraiu, desde criança. Me lembro de ler uma revista de viagens cuja capa tinha uma foto da Sagrada Família. Nunca tinha ouvido falar desse lugar. Na época as olimpíadas de 92 ainda iam acontecer. Folheei a revista e vi as fotos dos ladrilhozinhos coloridos de Gaudí, casinhas que pareciam de chocolate, uma igreja que nunca termina de ser construida e pensei: Como assim ninguém fala de Barcelona? Porque falam de Paris, Roma, Veneza, Nova Iorque.. e não de Barcelona??? Muitos anos depois um casal querido de amigos resolve se mudar pra esse lugar, caíram de amores pela cidade, falavam diariamente por msn de tudo que viam, mandavam fotos, vídeos, postais, e eu não pude evitar de estar aqui agora. Acho que também vou ter um caso de amor com ela. Aquela estrela que caiu do céu me garante que sim.